Você está aqui

O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e do Caribe

Disponível em:EnglishEspañolPortuguês

Presenta un panorama regional anual de los ingresos de inversión extranjera directa y de las actividades de las empresas trasnacionales en los países latinoamericanos y caribeños, con una proyección regional para los meses siguientes. Incluye un análisis sobre los patrones de origen y destino de las inversiones y sobre el efecto de estas en el desempeño de las economías de los países.

Last title

O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e no Caribe 2018. Documento informativo

O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e no Caribe 2018. Documento informativo

Esta publicação apresenta e analisa as principais tendências do investimento estrangeiro direto (IED) nos países da América Latina e do Caribe.
Em 2017 aprofundaram-se algumas tendências no cenário econômico mundial que geraram um clima de incerteza para os investimentos transfronteiriços. Em particular, confirmaram-se anúncios de possíveis restrições comerciais e pressões para relocalizar a produção nos países desenvolvidos. Ao mesmo tempo, as autoridades da China tomaram medidas para restringir as saídas de investimento estrangeiro direto (IED), a fim de ajustá-las ao plano estratégico do país. A esses elementos deve-se acrescentar a expansão das empresas digitais, que requerem um menor investimento em ativos tangíveis para crescer em escala internacional e estão fortemente concentradas nos Estados Unidos e China, o que diminui a necessidade de fusões e aquisições transfronteiriças.
Estes aspectos contribuem para explicar a queda do IED mundial em 2017, apesar de um contexto internacional caracterizado por um maior crescimento da economia mundial (3,2%), elevada liquidez internacional, altos lucros para as grandes empresas e otimismo nos mercados financeiros. Neste contexto internacional, em 2017 os fluxos de IED na América Latina e no Caribe diminuíram pelo quarto ano consecutivo, para 161,673 bilhões de dólares, cifra 3,6% menor que a registrada no ano anterior e 20% abaixo do volume recebido em 2011.

NU. CEPAL julho 2018
9789211219944
LC/PUB.2018/13-P
14 p.