Você está aqui

Disponível em:EnglishEspañolPortuguês

Persiste a desaceleração generalizada na América Latina e no Caribe em 2019 e espera-se um baixo crescimento para 2020

A CEPAL atualizou suas projeções de crescimento para os países da região.

11 de novembro de 2019|Comunicado de imprensa

A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) revisou para baixo as projeções de crescimento da atividade econômica da região para 2019, ano em que se espera uma expansão média de 0,1% na América Latina e no Caribe, como informado hoje por meio de um comunicado à imprensa.

Para 2020, no entanto, a CEPAL projeta que a região continue em um caminho de baixo crescimento, com uma expansão estimada do produto interno bruto (PIB) de 1,4%. Com isso, seriam sete anos em que a América Latina e o Caribe permaneceriam em um platô de baixo crescimento, que por sua vez se traduziu em uma deterioração dos níveis médios de renda per capita. O PIB per capita da região seria reduzido em 4% entre 2014 e 2019, o que implica uma queda anual média de -0,8%.

A desaceleração do ritmo de crescimento se estende para a maioria das economias da América Latina (17 de 20 países) em 2019. Nsse ano, as economias da América do Sul, especializadas na produção de bens primários, especialmente petróleo, minerais e alimentos cairiam -0,2%, a primeira queda desde 2016. Em 2020, espera-se que o crescimento nessa sub-região seja em média, 1,3%.

Para as economias da América Central e do México, espera-se uma taxa de expansão de 0,7% para 2019 e de 1,6% para 2020, valores que implicam uma redução em relação à taxa média de crescimento observada desde 2014 nessa sub-região.

Para o Caribe de língua inglesa ou holandesa, estima-se um crescimento médio de 1,5% para 2019 e a taxa esperada para 2020 é de 5,7%. Vale a pensa destacar que esse último número é bastante influenciado pelo alto crescimento esperado para a Guiana, vinculado com o início da produção de petróleo que ocorrerá no próximo ano, assinala a CEPAL.

Segundo a Comissão Regional das Nações Unidas, a dinâmica da atividade econômica na América Latina e no Caribe ocorre em um contexto em que a economia global reduziu sua contribuição para o crescimento da região em 2019, situação que provavelmente será mantida por o próximo ano.

Não apenas o volume do comércio global e o nível de atividade global estão desacelerando acentuadamente - afetando a demanda por exportações enfrentada pela América Latina e pelo Caribe - mas, também, foram afetados pela queda dos preços das matérias-primas que exportam muitos dos países da região. Além disso, os episódios de aumentos na volatilidade financeira influenciaram negativamente as condições financeiras e os fluxos de financiamento disponíveis para os países, acrescenta a CEPAL.

Diante desse contexto externo, caracterizado por tensões comerciais e alta incerteza, agravam-se as dificuldades que as economias da região apresentam em termos de inserção do comércio e da produção internacional, alerta a CEPAL.

As fraquezas da economia global levam os componentes da demanda interna/doméstica a terem um peso relativo maior na dinâmica do crescimento futuro. Para as dificuldades enfrentadas pelas economias da região em expandir o espaço de política – tanto fiscal como monetária -, somam-se as crescentes demandas por mudanças estruturais para enfrentar as profundas desigualdades que permanecem na região, considera a Comissão.

Contato

Assinatura

Receba as novidades da CEPAL por e-mail

Assine